Saiba o que é a miocardite e quais as principais causas dessa doença

laudo médico: doutor receitando laudo com caneta
Saiba como a parceria com uma clínica para laudo médico pode ser benéfico para o seu negócio
2 de dezembro de 2021
medicina da mulher: doutora receitando para paciente
Medicina da mulher: cuidados essenciais que toda mulher deve ter
16 de dezembro de 2021

Saiba o que é a miocardite e quais as principais causas dessa doença

Miocardite: coração artificial ao lado de um estetoscópio.

A miocardite é uma doença caracterizada pela inflamação do músculo do coração e que se manifesta com maior prevalência entre os homens. Apesar de poder se curar sozinha, a miocardite é considerada uma das principais causas de morte súbita, principalmente em pessoas abaixo dos 40 anos.

A seguir, conheça um pouco mais sobre esta doença, suas principais causas, e como ela pode ser diagnosticada, evitando o desenvolvimento de problemas graves que podem levar a pessoa à morte.

O que é miocardite

A miocardite é uma inflamação que acontece na camada média do músculo cardíaco, chamado miocárdio, responsável pelo bombeamento de sangue para os órgãos. A ação de enviar adequadamente o sangue oxigenado no coração para o organismo é fundamental para a nutrição dos tecidos.

A miocardite geralmente ocorre devido a um processo infeccioso que, ao atacar as células do coração reagem com uma resposta inflamatória imediata do sistema imunológico.

Este quadro leva a produção de tipos específicos de linfócitos (células responsáveis pela defesa do corpo), que liberam substâncias que podem comprometer o funcionamento do miocárdio.

Ainda que esse processo possa retroceder por meio de uma resposta natural do organismo, sempre há o risco de um quadro de insuficiência cardíaca aguda. Além de outros, como o bloqueio dos impulsos elétricos do coração devido à inflamação.

Principais causas da miocardite

Entre 80% a 90% das vezes, a doença é causada por um vírus. Nos demais casos, pode acontecer devido a uma bactéria, fungo ou protozoário.

A miocardite apresenta diversas causas que não são completamente conhecidas. Atualmente, pelo menos 20 vírus são classificados como potenciais causadores da inflamação. Alguns deles são:

  • Poliovírus;
  • Adenovírus;
  • Vírus HIV;
  • Coxsackie B;
  • SARS-CoV-2;
  • Influenza.

Além disso, outras doenças virais, como a caxumba, rubéola, varicela, hepatite B e C e dengue também podem ser a causa da miocardite. No entanto, os casos de miocardites virais vem diminuindo nos últimos anos, visto que grande parte dos vírus causadores podem ser prevenidos com vacina.

A miocardite também pode estar associada ao uso de medicamentos, doenças autoimunes, consumo excessivo de álcool e drogas. Com o avanço da medicina e o surgimento de exames modernos, a miocardite pode ser diagnosticada rapidamente, evitando graves consequências.

Sintomas

Em casos mais leves, como na gripe ou resfriado, a miocardite não causa qualquer sintoma. No entanto, em casos mais graves, alguns sintomas podem ser notados. Os principais são:

  • dores no peito;
  • batimento cardíaco irregular;
  • falta de ar;
  • cansaço excessivo;
  • inchaço em pernas e pés;
  • tonturas.

Consequências da miocardite

O coração funciona como uma bomba que distribui o sangue para todo o corpo. Visto que o miocárdio é o responsável pela contração do coração, a inflamação prejudica seu bombeamento e pode levar a problemas mais sérios.

As principais consequências da miocardite são a redução da capacidade do coração de bombear o sangue e o surgimento de arritmias cardíacas. Em situações mais graves, pode ocorrer a formação de coágulos no coração, levando a um acidente vascular cerebral ou infarto.

Miocardite x Novo Coronavírus

Em maio de 2021, o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doença) dos Estados Unidos apresentou um estudo que constatou que pacientes com a Covid-19 têm 16 vezes mais chances de desenvolver a miocardite e, consequentemente, suas complicações cardíacas.

Observou-se em pacientes pós-Covid, incluindo assintomáticos, a ocorrência de arritmias e insuficiência cardíaca, mesmo sem o histórico pregresso de doenças cardiovasculares. Em muitos casos, essas alterações são difíceis de diagnosticar, uma vez que são episódios irregulares e passageiros.

Como os efeitos causados pelo Novo Coronavírus ainda são recentes e não apresentam muitos estudos, especialistas ainda estão receosos em afirmar as relações diretas da ação do vírus nos casos de miocardite.

A maior suspeita está no fato de que, quando enfraquece o sistema imunológico, a Covid-19 permite que o vírus se armazene no coração, causando à miocardite. Em outros estudos, também é observada uma grande afinidade do vírus com o tecido cardíaco.

Essa é uma relação semelhante à de outras doenças infecciosas que favorecem a ocorrência da miocardite. Entre elas estão as gripes, catapora, febre reumática, doença de Chagas e AIDS. Portanto, é importante manter-se atento aos sintomas para buscar avaliação médica rapidamente, principalmente em casos de infecção pela Covid-19.

Tratamento

O tratamento da miocardite pode ser feito em casa, com o paciente em repouso para evitar excesso de esforço por parte do coração. Contudo, durante o período de tratamento também é necessário tratar a infecção responsável pela miocardite de forma adequada, com o uso de medicamentos como antifúngicos, antibióticos, antivirais e outros.

Além disso, quando a miocardite é acompanhada de sintomas, ou quando a inflamação dificulta o funcionamento do coração, o especialista também pode indicar medicamentos como anti-hipertensivos, beta-bloqueadores e diuréticos.

Em casos graves da doença, em que a miocardite causa diversas alterações para o funcionamento do coração, pode ser importante que o paciente fique internado no hospital para receber um acompanhamento mais detalhado, recebendo medicamentos e utilizando aparelhos que ajudem na recuperação.

Em casos mais raros, a inflamação pode colocar a pessoa em risco. Dessa forma, pode ser preciso a realização de um transplante cardíaco.

Principais exames para diagnosticar a miocardite

O diagnóstico inicial da miocardite é feito por meio do quadro clínico, com o médico avaliando o histórico de gripe ou vacinação, além da ocorrência de alguns sintomas quando presentes. Após a suspeita, o profissional deve solicitar a realização de alguns exames para a confirmação.

Entre eles estão o ecocardiograma, que pode apontar a existência de alterações na estrutura do coração. Além disso, a ressonância magnética é um importante exame que costuma ser realizado para auxiliar na confirmação da miocardite.

O exame é um método diagnóstico livre de radiação, realizado dentro de um aparelho produtor de campo magnético capaz de gerar imagens internas do corpo humano com alta definição.

O aparelho também produz ondas de radiofrequência, as quais podem ser ouvidas como ruído durante a realização do exame. Indolor, é fundamental o paciente ficar imóvel durante a aquisição das imagens. Em geral, o estudo dura entre 20 e 40 minutos, dependendo da região estudada.

Para algumas situações, a biópsia do miocárdio também pode ser feita, como forma de fechar o diagnóstico e descobrir a causa da doença. Contudo, este é um exame raro, visto que apresenta grande risco por ser invasivo.

A miocardite pode apresentar diferentes causas e sérias complicações quando não tratada. Por isso, caso note qualquer alteração ou sintomas relacionados à doença, procure um especialista para realizar os exames necessários para um diagnóstico precoce.

Que tal manter seus exames em dia? Você pode fazer isso sem sair de casa. Agende agora mesmo na Clínica Scoppetta!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.